GESTÃO

Prefeitura investe em planejamento e moderniza contratos para melhorar serviços nos campi

Foto: Isabela Lyrio/UnB Agência

 

Manter uma das maiores universidades do país limpa e segura é apenas uma das atribuições da Prefeitura dos Campida Universidade de Brasília (PRC/UnB). Esse setor da administração também atua no planejamento da ocupação dos espaços físicos e é responsável por serviços como o de transporte e de conservação da estrutura dos prédios. Para cumprir com eficiência essas e outras missões, a PRC tem dialogado com a comunidade acadêmica e aposta na mudança de contratos de serviços.

 

Desde 2013, a prefeitura passou a contratar a prestação de serviços em vez da mão de obra. As vantagens apontadas pelos gestores incluem o aumento de eficiência e a facilidade de cobrar resultados das empresas, não dos trabalhadores. “O que interessa é que o serviço seja bem feito. As empresas serão responsabilizadas se não atingirem um coeficiente mínimo de qualidade”, diz o prefeito, Marco Aurélio Oliveira. “É uma mudança cultural muito grande. Pela primeira vez, a UnB insere o acordo de nível de serviço no edital de licitação”, completa.

 

Outro ganho destacado é transferir para os contratados a responsabilidade de manter e fornecer equipamentos. Na área de conservação e limpeza, por exemplo, enceradeiras e insumos não são mais comprados pela UnB. A mesma lógica vale para serviços de fotocópia e para a manutenção de elevadores. “Já no ano que vem teremos todos os nossos contratos no modelo de prestação de serviços. Essa é, inclusive, uma necessidade de adequação legal”, afirma Marco Aurélio.

 

Segundo a PRC, as reclamações relacionadas à manutenção diminuíram e o diálogo com a comunidade acadêmica melhorou. Formulário eletrônico está disponível na internet para atender as demandas e ouvir críticas das unidades acadêmicas e administrativas. A prefeitura também dispõe de telefones para notificações e emergências.

 

PLANEJAMENTO – A prefeitura integra há um ano a nova rede que planeja e acompanha as obras da UnB. “Antes, os projetos eram feitos e as obras executadas sem a participação da prefeitura. Rompemos esse ciclo e passamos a também opinar sobre a especificação de materiais”, afirma o prefeito.

 

Marco Aurélio informa que equipes da prefeitura também circulam pelos campi para identificar áreas em que há necessidade de manutenção. O trabalho preventivo busca evitar transtornos e economizar nos reparos. “Queremos que as unidades tenham cada vez menos o trabalho de nos acionar”, diz.

 

As ações preventivas incluem a limpeza e a impermeabilização de calhas e tetos. Segundo a PRC, essas medidas são indispensáveis para evitar alagamentos nos prédios.

 

SEGURANÇA E TRANSPORTE – Uma das áreas mais impactadas pelo novo modo de trabalhar da prefeitura é a segurança. Houve uma reformulação dos procedimentos com a implantação de rondas controladas e investimento em comunicação e monitoramento. As viaturas e os equipamentos utilizados pelos vigilantes também passaram a ser fornecidos e mantidos pelas empresas licitadas. “Temos obtido bons resultados. A Biblioteca Central, por exemplo, já anunciou reduções significativas no caso de furtos”, diz Marco Aurélio.

Foto: Isa Lima/UnB Agência

 

A PRC anuncia que vai integrar a parte operacional com a central de monitoramento e testar equipamentos de segurança que acionam vigilantes e ativam alarmes. A aquisição de carros próprios para a universidade é outra das metas para a gestão da segurança.

 

A área de transporte também está prestes a ser impactada por um novo sistema de solicitação de veículos. Os pedidos serão respondidos com mais agilidade, via internet, a partir de março de 2015. Uma novidade já implantada é a oferta de novos ônibus, micro-ônibus e vans para viagens interestaduais. Assim como o transporte intercampi, o serviço é terceirizado.

 

Para os veículos do patrimônio da UnB, a novidade é a descentralização do abastecimento. Os carros de todos os campique eram deslocados para encher os tanques no Darcy Ribeiro passaram a ser abastecidos com o uso de vouchers nas regiões administrativas.

 

ECONOMIA – Desde 2012, a PRC tem como diretriz a minimização de desperdícios. A estimativa é de uma economia de até 60% de energia em prédios como o BSA-Sul, que substituiu a iluminação comum por lâmpadas de led. Gastos com água foram poupados com identificação e consertos de vazamentos.

 

Na área de telefonia, a mudança para troncos digitais permite ligações internas sem custo e garante assinaturas mais baratas. “A UnB tinha centenas de linhas analógicas que muitas vezes nem eram utilizadas”, diz o prefeito dos Campi, Marco Aurélio. Ele informa que até o ano que vem haverá controle individual do consumo dos serviços telefônicos.

ATENÇÃO O conteúdo dos artigos é de responsabilidade do autor e expressa sua visão sobre assuntos atuais. Os textos podem ser reproduzidos em qualquer tipo de mídia desde que sejam citados os créditos do autor. Edições ou alterações só podem ser feitas com autorização do autor.