NA SEMANA UNIVERSITÁRIA

Até sexta-feira (29), comunidade pode conferir cerca de 1.900 trabalhos de estudantes de ensino superior e médio de oito instituições participantes

Representantes das oito instituições parceiras no congresso compuseram a mesa oficial de abertura e falaram sobre a importância da parceria e da iniciação científica para o futuro do país. Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB

 

Estão todos convidados para participar do 29º Congresso de Iniciação Científica da UnBe20º Congresso de Iniciação Científica do Distrito Federal. Oficialmente aberto nesta terça-feira (26), em cerimônia realizada no Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), o evento terá 1.859 apresentações de pôsteres de iniciação científica expostos à comunidade, durante três dias.

O evento faz parte da Semana Universitária da UnB. A mostra acontece no Centro Comunitário Athos Bulcão, no campus Darcy Ribeiro. Também participam do congresso a Universidade Católica de Brasília (UCB), o Centro de Ensino Unificado de Brasília (Ceub), o Instituto de Ensino Superior de Brasília (Iesb), os institutos federais de Brasília (IFB) e de Goiás (IFG), a Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) e o Centro Universitário do Distrito Federal (UDF).

“É sempre um momento de muita alegria reunir todas essas instituições que fazem ciência. Se trata de criar sinergias em prol do objetivo comum, que é a construção da sociedade melhor através da ciência”, declarou o vice-reitor da UnB, Enrique Huelva.

O gestor reforçou em sua fala que a iniciação científica é, em muitos casos, o primeiro contato com a ciência. Sendo esta inquietação inicial, fundamental para aprofundar temas que irão se tornar pesquisas de mestrados e doutorados.

“Esse é um projeto muito importante e que nos leva além. Ele nos ajuda a levar conhecimento de uma forma mais ampla para a sociedade, como para fazer a ligação entre desmatamento e o calor excessivo, por exemplo”, complementou, fazendo referência a um desafio encarado no presente por todos na sociedade.

“Quando a gente junta tantos representantes da iniciação científica, em um movimento coletivo em prol da pesquisa, de fato mostra engajamento”, afirmou o coordenador de Pesquisa da UDF, professor Bernardo Petriz. Em sua fala, o anfitrião da cerimônia destacou ainda que o poder da pesquisa é transformador e pode movimentar vidas.

“A iniciação científica é um programa de extrema importância, pois permite o desenvolvimento das habilidades de pesquisa, pensamento crítico, trabalho em equipe e prepara os estudantes para enfrentar os desafios do mundo acadêmico e do mercado de trabalho”, frisou a coordenadora do Programa de Mestrado em Direitos Sociais do IESB, professora Any Ávila.

Professora da UFMG deu aula sobre motivos para fazer fazer parte da iniciação científica e ainda falou sobre a importância desse tipo de projeto para o futuro da ciência brasileira. Foto: Luis Gustavo Prado/Secom UnB

 

PALESTRA – A abertura contou ainda com palestra da professora de Farmácia e diretora de Fomento da Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Karina Borges.

Com o tema Iniciação científica: onde estamos, para onde vamos, ela destacou que o desejo pelo desconhecido não começa na universidade, mas nasce com os futuros pesquisadores.

“Eu posso dizer aos alunos que a iniciação científica me preparou para enfrentar as adversidades e grandes desafios da carreira profissional”, pontuou. Ela ainda destacou pontos positivos da iniciação durante a palestra, como: trabalho em equipe, responsabilidade com prazos, conhecimento técnico, desenvolvimento crítico e escolha profissional mais eficiente.

Além disso, frisou que o desejo de conhecer o desconhecido e desbravar incógnitas é uma qualidade inata. “A pergunta científica nasce com todos nós. Mas a vida científica é difícil e exige muito. Precisamos usar os recursos que temos e começar com pouco, com dedicação e paciência, pois a colheita não é rápida”, reforçou a professora.

NOVIDADE – Os organizadores do congresso esperam receber cerca de 3 mil pessoas da comunidade acadêmica, durante os três dias de evento. Todos poderão conferir as pesquisas no Centro Comunitário Athos Bulcão da Universidade de Brasília, no campus Darcy Ribeiro, onde os trabalhos serão apresentados de quarta (27) a sexta-feira (29).

No primeiro dia será a mostra das pesquisas de Artes e Humanidade, na quinta-feira é a vez dos trabalhos de Saúde e Vida e finalizando a semana os de Exatas e Engenharia. Os trabalhos estarão sujeitos a um júri, para posterior premiação.

A novidade deste ano são os balcões de exposição de produtos da iniciação científica e da extensão, ultrapassando o formato de apresentação de projetos em banners, como explica o diretor do Programa de Iniciação Científica (Proic) da UnB, Sérgio Granemann.

“Os balcões são oportunidades adicionais para apresentação de trabalhos, principalmente por alunos do ensino médio de escolas públicas, que desenvolvem pesquisas aplicadas em grupos, com orientação de professores das instituições organizadoras”, explica Granemann. Ele destaca que muitas vezes os trabalhos são muito práticos.

“Essas experiências são adequadas para serem apresentadas com equipamentos, materiais didáticos, computadores, entre outros. Isso torna as apresentações atrativas. Assim, o ensino médio fica mais motivado para participar do congresso”, reforça o professor.

Esta edição também contará com um telão de led para apresentar a programação on-line do evento, vídeos de depoimentos de dirigentes e de estudantes com resultados de seus trabalhos, fotos dos participantes e um pouco da história do congresso, acessível para todos os participantes. Prestigie!


Abertura do 29º Congresso de Iniciação Científica da UnB

 

 

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.