REESCREVENDO O BRASIL

Evento será no campus Darcy Ribeiro e celebrará autoras negras brasileiras

Festa do livro vem com uma programação repleta, que envolve palestras, mesas-redondas, workshops, lançamentos de obras e muito mais. Arte: Editora UnB

 

Com o tema Pensadoras e autoras negras brasileiras: uma reescritura do Brasil, a 1ª Festa do Livro da UnB promete ser um momento de celebração do universo da leitura. Organizado pela Editora UnB (EDU), o evento será no ICC Sul, campus Darcy Ribeiro, de 19 a 21 de setembro, das 9h às 21h, e contará com uma grande área de expositores, com a participação de mais de 20 editoras de todo o Brasil, além de uma programação cultural extensa, incluindo palestras, mesas-redondas, workshops e lançamentos de obras.

 

>> Confira aqui a programação

 

“De fato, o Brasil viu de muito perto o fascismo agir nos últimos anos no sentido de um recrudescimento do racismo, da violência de gênero, e aqui no DF, é ainda hoje palpável e chocante o aumento do número de feminicídios, sobretudo no durante e pós-pandemia. Sabemos também que essa violência atinge com mais impacto as mulheres negras e as pessoas negras de modo geral. Sendo assim, e levando em consideração todas as mudanças presentes hoje no nosso horizonte, o tema da 1ª Festa do Livro da UnB dirige um convite à reflexão, trazendo à luz a contribuição inegável que grandes escritoras e pensadoras negras aportam sobre o país, seus (des)caminhos, sua história, seu legado”, diz a diretora da Editora UnB, Germana Henriques, sobre a escolha do tema.

 

“Fazer um projeto cultural no âmbito da UnB com essa temática é colocar novamente na pauta da Universidade questões prementes da nossa sociedade. Queremos também provocar os leitores e leitoras a saírem da mesmice e ler ou reler autoras nacionais, de forma também a valorizarem um pensamento nacional, voltado às questões que nos interpelam todos os dias”, acrescenta.

 

AUTORAS NEGRAS – No dia 21, às 16h, no mezanino do ICC Sul, será o lançamento das obras das escritoras Norma Hamilton, Cristiane Sobral e Adelaide Paula do Núcleo de escritoras pretas Maria Firmina dos Reis (Nepfir). Norma, que também é professora no Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução do Instituto de Letras da UnB, irá lançar um livro de poesia chamado Pedago-poemas: para uma educação antirracista.

A escritoras Norma Hamilton, Cristiane Sobral e Adelaide Paula fazem palestra sobre literatura negra como espaço efetivo de poder, às 14h, no dia 21 de setembro. Em seguida, às 16h, estarão no lançamento conjunto no Núcleo de Escritoras Pretas - Maria Firmina dos Reis (Nepfir). Imagem: Divulgação

 

Indagada sobre o tema da 1ª Festa do Livro da UnB, diz que o considera inspirador. “Eu sempre quis ver a Universidade buscar a visibilidade das escritoras pretas. Por isso, criei o grupo de pesquisa Nepfir. O núcleo atuou de diferentes formas para chamar a atenção da Universidade e, com essa feira, sinto que conseguimos”, comemora. Mulher preta, Maria Firmina dos Reis foi a primeira romancista brasileira. Em seu romance Úrsula, publicado em 1858, ela já trazia críticas contundentes à escravidão, conta Norma que sempre se incomodou com a pouca representatividade de escritoras pretas nos currículos universitários.

 

“Fui aluna da UnB na área de Letras e senti que não havia apresentação suficiente aos alunos da literatura delas. Quando conheci a escritora Adelaide Paula, conversávamos muito sobre isso. Resolvemos criar uma parceria entre as escritoras pretas de Brasília e a Universidade para mudar a realidade da negligência dessas escritoras no espaço universitário. Fundamos,então, o Núcleo em setembro de 2022. Desde então, já realizamos duas feiras na UnB e trabalho as obras das escritoras com meus alunos em sala, nos projetos de PIBIC [iniciação científica] e TCC [Trabalho de Conclusão de Curso]”, conta.

 

Para a escritora Adelaide Paula, finalista do prêmio Maria Firmina dos Reis e cofundadora do Nepfir, a 1ª Festa do Livro da UnB “reinscreve o espaço da Universidade no corpo-território da escrevivência feita por mulheres escritoras e pensadoras negras do Brasil”. “Mulheres que não só resistiram ao epistemicídio euro-ocidental como reexistiram por meio de sua escrita. Mulheres negras, que se aquilombam em torno do esperançar pela arte da palavra, seja ela feita de poesia ou prosa, sempre diluindo o amargor do racismo no mel da cosmopercepção afro-brasileira”, afirma Adelaide, que irá lançar a coletânea Você fica tão linda vestida de contos, “que formam umcorpus luminoso das minhas experiências com a escrita criativa”, comenta.

 

A terceira autora é Cristiane Sobral, primeira negra formada em interpretação teatral pela UnB, em 1998. Atriz, licenciada em teatro, especialista em docência, mestre em Teatro pela UnB, dramaturga com publicações em vários gêneros. Ela irá lançar o livro de contos Caixa Preta, seu 11º livro, em uma trajetória de 23 anos como escritora. “São 16 contos amalgamados nesse livro. Nas palavras da escritora Dinha Maria, Caixa Preta é uma pequena reunião de contos lírico-sarcásticos. Um livro para ser lido e relido, porque, a cada vez se rompe um novo ponto, se constroem novas pontes e novos signos são percebidos”, detalha.

 

Cristiane acredita que a escolha do tema é muito oportuna. “Temos que reescrever a história dos autores e autoras negras no contexto da literatura brasileira e a universidade é um celeiro de formação de pensamento, um espaço fundamental para dar visibilidade a esse processo”, avalia, ao lembrar que a população brasileira é majoritariamente formada por pretos e pardos e que os escritores negros ainda não têm o devido reconhecimento na literatura nacional, “embora um negro, Machado de Assis, tenha fundado a Academia de Letras do Brasil”, aponta.

 

O Nepfir está no Instagram (@nepfir_unb) e também no YouTube (@nepfir_unb), com lives mensais sobre obras literárias e questões sociais.

 

Abertura da 1ª Festa do Livro:

 

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.