GEOLOGIA

Mostra permanente no Museu de Geociências, no Minhocão, é para público de todas as idades

Exposição3 ATOS – Conhecendo a Terra é divida cronologicamente e por tema, com o intuito de mostrar o processo contínuo de transformação do planeta. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB

 

Começou na segunda-feira (26) a exposição permanente 3 ATOS – Conhecendo a Terra, no Museu de Geociências da Universidade de Brasília (MGEO/UnB), localizado no Minhocão (ICC Centro). O tema é a evolução do planeta Terra e o registro dessas mudanças. Com uma linguagem acessível a todos os públicos, a mostra oferece conhecimento sobre geofísica, geologia e ciências ambientais.

Em cerimônia de inauguração, a coordenadora do MGEO, Paola Barbosa, disse que a exibição tem o propósito de explorar a relação do homem com o espaço que o cerca; a compreensão do tempo como fator relevante na observação científica; a importância da preservação do patrimônio natural e o reconhecimento da relação entre ciência pura e aplicada.

“O MGEO é uma janela do Instituto de Geociências (IG) para a sociedade e nosso objetivo com essa nova exposição é que essa janela se amplie ainda mais. O que temos no MGEO é resultado do esforço contínuo de diversas e diversos professores que nos antecederam no IG. Cada peça exposta hoje contém a história do trabalho científico, acadêmico e extensionista do nosso instituto”, explicou Paola.

Mostra no Museu de Geociências apresenta amostras de meteoritos, camadas rochosas e registros arqueológicos. Foto: Raquel Aviani/Secom UnB


A exposição está dividida em três atos, separados cronologicamente e por tema, mas que são conectados entre si de forma dinâmica, interdisciplinar e que traçam um panorama narrativo contínuo da transformação do planeta. O primeiro ato percorre os primórdios de formação da Terra e seus registros em amostras extraterrestres: os meteoritos.

O segundo ato insere a vida no planeta e demonstra a importância da cronoestratigrafia, ou seja, do estudo de camadas rochosas em relação ao tempo. Já o terceiro e último ato aborda os recursos minerais e os registros arqueológicos que demonstram os traços humanos na Terra.

ACaverna, peça clássica no MGEO, fecha a exposição com poesia. Cavernas são locais há milênios ocupados por seres humanos e, por isso, registram não só a nossa ocupação, mas a própria evolução do planeta. Ela traz a relação entre presente e passado.

Geóloga formada no IG e professora do instituto, a reitora da UnB, Márcia Abrahão, expressou felicidade com a inauguração da exposição e falou da importância dos museus científicos. “É uma honra estar aqui hoje. Sempre que tem uma atividade no IG, é certo que estarei aqui”, brincou. “Nós temos trabalhado para cada vez mais termos essa rede de museus em Brasília. É necessária uma política governamental nesse sentido. Na associação de reitores, a Andifes, criamos uma comissão de museus, para tentarmos avançar nos museus científicos, que são de extrema importância.”

A exposição tem entrada gratuita e atende todas as idades. Escolas podem agendar visita guiada por meio deste link.

 

 

Leia também:

>> Especialistas debatem saúde mental em série de rodas de conversa na UnB

>> Cepe altera resolução sobre comitê de heteroidentificação

>> Universidade avança em ranking e é considerada 26ª melhor da América Latina

>> UnB inicia parceria com Cazaquistão

>> Sueli Carneiro é a primeira mulher negra doutora honoris causa pela UnB

>> UnB terá dois prêmios de direitos humanos

>> Universidade desenvolve respirador mecânico com tecnologia de descontaminação

>> UnB dobra número de bolsas para programas de iniciação à docência

>> Projeto da UnB vence prêmio de ideias para combate à evasão escolar do Geledés

>> Reitora discute avanços e desafios em visita à FUP

ATENÇÃO – As informações, as fotos e os textos podem ser usados e reproduzidos, integral ou parcialmente, desde que a fonte seja devidamente citada e que não haja alteração de sentido em seus conteúdos. Crédito para textos: nome do repórter/Secom UnB ou Secom UnB. Crédito para fotos: nome do fotógrafo/Secom UnB.